fbpx
Pular para o conteúdo
Início » Cuidados com a saúde no inverno: como se manter bem na época mais fria do ano

Cuidados com a saúde no inverno: como se manter bem na época mais fria do ano

Confira como se preparar para passar um inverno sem sustos com algumas dicas de saúde no inverno.

Quem dispensa assistir à série preferida embaixo do edredom ou escolher uma roupa mais elegante para andar pelas ruas e se sentir a própria estrela de cinema? Manter os cuidados com a saúde no inverno garante o conforto e a elegância no tempo frio.

Mas o frio, mesmo em um país como o nosso, pode trazer alguns perigos! Que tal garantir a diversão seguindo algumas  dicas de saúde no inverno?

De repente um espirro, coriza… gripe? Resfriado? Aquela velha alergia respiratória? O pódio de doenças corriqueiras no clima frio já é lugar comum entre a maioria, mas elas não são unânimes.

Para não perder o conforto que o inverno trás, tornam-se tão importantes os cuidados com a saúde no inverno. Quer saber quais são os principais? Então continue lendo para conhecê-los!

Cuidados com a saúde no inverno: por que são tão importantes?

Algumas doenças têm maior facilidade de se propagarem em determinadas épocas do ano, conforme afirmam especialistas. A variação de umidade e as mudanças climáticas são os principais fatores que favorecem a ocorrência delas.

Nossos hábitos em períodos de clima mais ameno também ditam o ritmo de propagação de vírus, bactérias e outros causadores daquelas doenças que vêm nos incomodar naquele friozinho.

Cá entre nós, ter que andar com um lencinho ou precisar programar o celular para medir a temperatura na hora certa podem garantir um inverno bastante desagradável, não é mesmo? Manter certos cuidados com a saúde no inverno podem ser a chave para curtir a estação livre de preocupações.

Gripe

A gripe é a vilã mais conhecida! Ela é bem similar ao resfriado, mas com sintomas mais fortes.

É causada por um vírus comum: o Influenza, que apresenta muitas variações! Com o tempo mais frio, diminuem nossas opções de lazer ao ar livre e não é raro frequentarmos lugares mais fechados e movimentados alavancando, portanto, o contágio.

Se o que assombra sua saúde é a gripe, lembre-se de que a variante H1N1 já pode ser combatida pela vacina anual, recomendada principalmente para uma parcela específica da população.

Embora muita gente prefira não procurar ajuda médica para algo corriqueiro como uma gripe, esta não é uma boa decisão. Além disso, é importante evitar aglomerações em locais fechados e sem circulação de ar fresco.

Asma

Doenças crônicas como a asma alérgica também entram em nossa lista de perigos do frio.

Apesar de ser causada pela reação atípica a fungos, ácaros, bactérias ou mesmo produtos químicos ela pode ser resultado até mesmo de fatores genéticos. Até mesmo uma simples mudança de temperatura é o suficiente para causar um episódio de crise asmática.

A asma causa sobretudo falta de ar e pode ser bastante perigosa caso não seja tratada da forma correta.

O tratamento da asma requer diagnóstico clínico e a em geral combina tratamento medicamentoso e mudança de hábitos. Leia um pouco mais sobre ela no site oficial do Ministério da Saúde.

Bronquite

Já que a asma entrou em nossa lista de indesejáveis do inverno, a bronquite alérgica não pode cair no esquecimento. Nesse caso, o frio prejudica a camada mais externa do sistema respiratório, acabando por tornar todo ele enfraquecido.

Como toda doença alérgica, ela não tem cura, mas necessita de acompanhamento médico para que cause menos danos ao paciente e garanta a ele uma melhor qualidade de vida. Então, é importante evitar locais com excesso de frio.

Caso haja sintomas respiratórios, consulte um alergista e saiba ao certo o diagnóstico. O tratamento da bronquite costuma acontecer nos períodos de crise, principalmente quando a causa é alérgica e conta com a utilização de vaporizadores e soro fisiológico devidamente receitados pelo médico.

Inflamações

Sinusite, Amigdalite e outras “ites” costumam desfilar pelo inverno principalmente entre crianças e adolescentes. Vale lembrar que elas também pertencem ao grande grupo de inflamações causadas por bactérias, por vírus ou por reação alérgica.

E é importantíssimo ter atenção redobrada se houver presença de muco, se a garganta ou o nariz estiverem inflamados, ou caso haja mal estar geral, bem como a sensação de cansaço e possível quadro de febre.

Todas estas são características comuns a este grupo de doenças e dão o sinal de que a ajuda médica deve ser acionada.

Isso é importante lembrar visto que o não acompanhamento do tratamento básico, feito principalmente com soro e alguns casos com antibióticos, pode tornar estas doenças crônicas.

Pneumonia

Agora, um lembrete a respeito de um mal silencioso que costuma vir com o frio e ao qual os idosos e as crianças estão mais expostos: a pneumonia.

Ela acontece quando os causadores de infecção se instalam nos pulmões do paciente. Febre alta e tosse seca, bem como catarro esverdeado ou amarelado indicam um possível quadro de pneumonia.

Esta doença além de perigosa é contagiosa e pode se espalhar da mesma forma que a gripe, ou seja, através das secreções do doente. Portanto, o cuidado com locais mal ventilados e com a higiene são fundamentais.

O tratamento da pneumonia precisa ser levado a sério. Ele é feito principalmente com base em antibióticos e vale lembrar que negligenciá-lo pode causar complicações sérias.

Alergias de inverno

Embora não seja a primeira coisa que nos passe pela cabeça, as alergias cutâneas também têm papel de destaque quando o calor se despede.

Quando pensamos em alergias, muitos sintomas nos vêm à cabeça e não menos são as recordações de uma ou outra situação que algum conhecido ou nós mesmos passamos por causa de alguma delas.

É fácil perceber que os fatores causadores de alergia mais comuns estão relacionados à alimentação, ao uso de medicamentos e mesmo a infecções.

Uma pequena parte da população mundial, entretanto, sofre com uma alergia de causas ainda misteriosas: a alergia ao frio, também chamada de urticária ao frio! Estas pessoas precisam se dedicar ainda mais aos cuidados com a saúde no inverno.

Urticária ao frio

Ocorrendo com mais frequência entre mulheres e geralmente identificada em jovens, a urticária ao frio pode causar bastante incômodo.

 Acometidos por esta alergia do inverno  apresentam reações à baixa temperatura que mais comumente se expressam por vermelhidão, inchaços e placas nas partes da pele mais expostas à baixa temperatura.

O teste mais comum para identificar esta que é a mais rara das alergias do inverno é conhecido como “Teste do Cubo de Gelo” e, como o nome já diz, consiste na exposição de uma parte da pele a um cubo de gelo durante um curto espaço de tempo.

Embora simples, este teste deve ser feito por um médico especializado pois só ele pode concluir clinicamente se a pessoa é ou não portadora desta alergia. No geral, é importante evitar locais com baixas temperaturas ou o contato direto com superfícies frias.

Conclusão


Ufa! O inverno impõe mesmo muitos desafios a nossa saúde e bem estar, mas, com algumas atitudes diárias, conseguimos superar a maioria deles, se não todos! Confira como os cuidados com a saúde no inverno podem ser simples e efetivos:

Alimentar-se bem e beber bastante água são regras gerais para qualquer estação e fugir de uma vida sedentária procurando exercitar-se sob orientação médica!

As principais dicas de saúde no inverno são manter a casa bem limpa e livre de fungos já que neste período costumamos permanecer mais tempo em ambientes fechados e a umidade é proveitosa para o crescimento de fungos!

Falando em passar muito tempo em lugares fechados, preocupe-se em pegar sol diariamente nos períodos em que a incidência dos raios solares não está tão forte, isso melhora seu bem estar e permite que seu corpo funcione bem!

Como você pôde acompanhar, a maioria dos cuidados com a saúde no inverno são bem fáceis e qualquer um pode realizá-los! Se alguma dúvida permaneceu, convidamos você a assistir este vídeo bastante esclarecedor:

Até a próxima!